sábado, 10 de julho de 2010

PSEUDO-TROLL OU PSEUDO-INTELECTUAL?

Segundo Felipe Neto (Ator, semeador da discórdia e cover da Kelly Key), um "Troll", basicamente é aquele que adora ficar na internet sem rumo certo, ou melhor, eles são tão obcecados por chamar atenção, que saem atirando para todos os lados. Criam várias campanhas contra alguém ou alguma coisa que está em alta. O talento não existe para eles, por que no fundo, eles são seres frustrados por não estarem no lugar daqueles artistas ou músicos atacados.

Veja abaixo um vídeo de Felipe Neto “Não Faz Sentido! - Fodões da Web. Trolls”.
video
http://www.youtube.com/felipeneto#p/a/u/1/B2HqX65Wug0

É bem difícil mesmo comentar algo sobre pessoas que ficam 24 horas na frente de um computador. Fazendo o que basicamente? Posso garantir 3 coisas com certeza: 1. Conversando sobre algo novo que viram na net; 2. Planejando algo para agredir alguém da net; e 3. Batendo uma longa e deliciosa “punheta”, admirando uma transa do estilo mais “estrondobizarroso” possível; de preferência num site tipo redtube.com, totalmente gratuito e sem realização de cadastro (lembrem, eles não podem dar as caras) para usufruir de seus conteúdos quentes, ou seja, sem dúvidas a melhor diversão para um nerd. Eles gostam de viver assim. Como aqueles que gostam de ficar o tempo todo malhando e puxando ferro, deixando seus corpos sarados para pegar as cachorras safadas das baladas, e melhor, sem precisar dizer uma palavra, porque para poder dizer algo, eles precisariam andar com um dicionário de baixo do braço, assim mostrariam algum destaque mental; mas pensando bem, eles não terão essa idéia genial, por que se fizerem isso, vão começar a pensar diferente e procurar alguns lugares diferentes, como a rua Augusta, por exemplo. Já pensou, como eles se dariam bem fazendo isso? Vai dizer que você nunca conheceu alguém que começou assim? Pensa bem, aquele cara que até os vinte anos andava com o carro do pai, bem sarado, roupa de marca, óculos escuros, caladão (todos achavam isso um charme, mas no fundo não tinha mesmo o que falar), e tirava fotos de olhinhos semi-fechados e biquinho de modelo para colocar no dia seguinte no Orkut. Mas de repente, ele conhece alguém que o leva numa balada Cult (aquelas baladas com músicas tocando de trás para frente e telões passando um Truffaut). Ele acaba achando aquilo bem interessante, no mínimo diferente de seu habitat natural, onde até então só existiam macacos e galinhas. Então...pois é gente...ele começou a freqüentar a rua Augusta. Até comprou alguns filmes Cult, pra entrar no clima! Deixou o cabelo com um corte bem estranho. Do nada precisou usar óculos de grau, e daqueles bem grandões, com armações pretas e largas. E as roupas então? Customizadas, e claro, compradas em brechós fedorentos..., na boa, tudo isso não adiantaria de nada. Tudo bem! Você pode me dizer: Poxa! O cara até que está no caminho certo agora. Andando com pessoas certas e bla bla bla, mas a realidade é que não se transforma um cérebro assim tão facilmente. Isso levaria muito tempo. Pelo menos um pouco de interesse desde o “semem” para se ter uma “certa” credibilidade intelectual. Melhor, teria que nascer novamente. Mas voltando ao assunto antes que percamos nossa linha de raciocínio, o que seria melhor, um PSEUDO-TROLL ou um PSEUDO-INTELECTUAL? Na boa, vamos tomar um pouco mais de sol e parar de engordar, sentados numa confortável poltrona fedendo a peido.

Para assistir mais vídeos de Felipe Neto:
http://www.youtube.com/felipeneto

Seguir o Felipe Neto no Twitter:
@felipeneto

Um comentário:

  1. "...sentados numa confortável poltrona fedendo a peido."

    ha, ha, ha!

    Essa foi a melhor!

    ResponderExcluir